A Roda Branca – Clarice Lispector

Pétala alta: que extrema superfície. Catedral de vidro, superfície da superfície, inatingível pela voz. Pelo teu talo duas vozes à terceira e à quinta e à nona se unem – crianças sábias abrem bocas de manhã e entoam espírito, espírito, superfície, espírito, superfície intocável de uma rosa. Estendo a mão esquerda que é mais fraca,… Read More »

Triste regresso – Poema de Augusto dos Anjos

Uma vez um poeta, um tresloucado, Apaixonou-se d’uma virgem bela; Vivia alegre o vate apaixonado, Louco vivia, enamorado dela. Mas a Pátria chamou-o. Era o soldado, E tinha que deixar p’ra sempre aquela Meiga visão, olímpica e singela! E partiu, coração amargurado. Dos canhões ao ribombo e das metralhas, Altivo lutador, venceu batalhas, Juncou-lhe a… Read More »

Anta que berra – Conto de Monteiro Lobato

História propriamente não é o que vou contar, mas simples episódio — coisa de um aparte inocente que atrapalhou a façanha narrada pelo meu saudoso amigo major Pedro Falaverdade, de Itaquaquecetuba. Apesar de grande caçador o meu amigo não mentia: atrapalhava-se às vezes, confundia uma caçada com outra: mas mentir deliberadamente, como a maioria dos… Read More »