Carinhoso em Pienza – Crônica de Luis Fernando Veríssimo

By | November 7, 2013

Não aguento mais esses cronistas que escrevem como se seu umbigo fosso centro do Universo quando todo o mundo sabe que o MEU umbigo é que é o centro do Universo. Ele é o centro constante das minhas atenções como o centro do meu corpo e onde ele vai eu vou junto, e vice-versa, certo de que todos se interessarão pelas nossas venturas e desventuras. O assunto do cronista é sempre o próprio cronista. Ou seu próprio umbigo e suas circunstâncias.

Digressão: O umbigo foi sempre um problema para a arte religiosa. Era impossível retratar Adão e Eva no Paraíso sem seus respectivos e anacrônicos umbigos – prova física da existência de partos ortodoxos em algum momento da Criação. A solução foi chamar os primeiros umbigos de marcas do dedo de Deus, o lugar em que o Criador cutucou Adão e Eva e os instigou a viverem e se multiplicarem, aquela história.

Achei que gostaram de saber que eu e meu umbigo andamos pela Toscana nas férias, entre Montalcino, Montepulciano, San Quirico, Siena, Pienza e outras cidades mágicas, e que na praça principal de Pienza nos aproximamos de uma dupla que tocava chorinho – ela, com cara de brasileira, mas italiana, na flauta, ele, com cara de europeu, mas brasileiro, no violão. Já tinha nos impressionado o numero de brasileiros encontrados em toda parte. Em Pienza, quando a dupla começou a tocar Carinhoso, toda a praça cantou junto. Ou foi uma alucinação minha, fruto, quem sabe, do “Brunello” do almoço, ou havia mais brasileiros na Toscana do que imaginávamos.

Fonte: Estadão

 



 

Comments

comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.