Category Archives: Augusto dos Anjos

Triste regresso – Poema de Augusto dos Anjos

Uma vez um poeta, um tresloucado, Apaixonou-se d’uma virgem bela; Vivia alegre o vate apaixonado, Louco vivia, enamorado dela. Mas a Pátria chamou-o. Era o soldado, E tinha que deixar p’ra sempre aquela Meiga visão, olímpica e singela! E partiu, coração amargurado. Dos canhões ao ribombo e das metralhas, Altivo lutador, venceu batalhas, Juncou-lhe a… Read More »

Homo infimus – Poema de Augusto dos Anjos

Homem, carne sem luz, criatura cega, Realidade geográfica infeliz, O Universo calado te renega E a tua própria boca te maldiz! O nôumeno e o fenômeno, o alfa e o omega Amarguram-te. Hebdômadas hostis Passam… Teu coração se desagrega, Sangram-te os olhos, e, entretanto, ris! Fruto injustificável dentre os frutos, Montão de estercorária argila preta,… Read More »

A um monstro – poema de Augusto dos Anjos

Fome! E, na ânsia voraz que, ávida, aumenta, Receando outras mandíbulas a esbangem, Os dentes antropófagos que rangem, Antes da refeição sanguinolenta! Amor! E a satiríasis sedenta, Rugindo, enquanto as almas se confrangem, Todas as danações sexuais que abrangem A apolínica besta famulenta! Ambos assim, tragando a ambiência vasta, No desembestamento que os arrasta, Superexcitadíssimos,… Read More »

O meu nirvana – poema de Augusto dos Anjos

No alheamento da obscura forma humana, De que, pensando, me desencarcero, Foi que eu, num grito de emoção, sincero Encontrei, afinal, o meu Nirvana! Nessa manumissão schopenhauereana, Onde a Vida do humano aspecto fero Se desarraiga, eu, feito força, impero Na imanência da Idéa Soberana! Destruída a sensação que oriunda fora Do tacto — ínfima… Read More »

Agonia de um filósofo – poema de Augusto dos Anjos

Consulto o Phtah-Hotep. Leio o obsoleto Rig-Veda. E, ante obras tais, me não consolo… O Inconsciente me assombra e eu nêle tolo Com a eólica fúria do harmatã inquieto! Assisto agora à morte de um inseto!… Ah! todos os fenômenos do solo Parecem realizar de pólo a pólo O ideal de Anaximandro de Mileto! No… Read More »