Dos cravos roxos – Poema de Cecília Meireles

By | June 17, 2013

Esta noite, quando, lá fora,
campanários tontos bateram
doze vezes o apelo da hora,
na minha jarra, onde a água chora,
meus dois cravos roxos morreram…
Meus dois cravos roxos morreram!
Meus dois cravos roxos defuntos,
são como beijos que sofreram,
como beijos que enlouqueceram
porque nunca vibraram juntos…
São como a sombra dolorida
de olhos tristes, que se perderam
nas extremidades da vida…
Oh! miséria da despedida…
Meus dois cravos roxos morreram…
Meus dois cravos roxos morreram!
Meus dois cravos roxos, fanados,
crepuscularam, faleceram,
como sonhos que se esqueceram,
alta noite, de olhos fechados…

Eu pensava numa criatura,
quando os campanários bateram…
Tudo agora se me afigura
irremediável desventura…
Irremediável desventura!
Meus dois cravos roxos morreram…

cecilia-meireles

 







 

Comments

comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.