Resenha esportiva – artigo de Nelson Motta

By | July 26, 2013

Junto com estádios modernos e confortáveis, com lugares marcados, banheiros limpos e gramados impecáveis no “padrão Fifa”, veio também um novo padrão de espetáculos de futebol. Agora paga-se mais caro para receber comandos e estímulos como se fossemos uma manada de idiotas macaqueando as plateias dos estádios americanos, com luzes coloridas e imagens de show de rock nos telões e DJs bombardeando o público com batucadas digitais e palavras de ordem de show de axé.

Por que não nos deixam assistir em paz a guerra metafórica do futebol no campo? Por que temos que esperar o início do jogo como se estivéssemos num bailão brega e passar o intervalo, não como um momento para relaxar um pouco e comentar o jogo, mas envolvidos por luzes e lasers ofuscantes e com os ouvidos estourando com o bate-estaca nas caixas de som? Os estádios são espaços de liberdade e diversidade, de cada torcedor e das torcidas, não precisam de animadores. O que eles querem, organizar a paixão?

No Maracanãzinho, na Liga Mundial de Vôlei, quando o time do Brasil ia sacar apareciam duas mãozinhas nos telões batendo palminha e pedindo para gritar a palavra “ace” (ponto direto no saque). Nem as crianças obedecem, os adultos se sentem infantilizados, os torcedores de verdade preferem gritar e vaiar o saque dos adversários. Nos pedidos de tempo técnico, momentos de alta tensão, o DJ tenta transformar o ginásio num baile funk.

Há dois domingos, no estádio mais caro da Copa, o mais suspeito de roubalheiras na sua construção, não por acaso em Brasília, dezenas de convidados dos donos da casa feita com dinheiro público, não contentes com a boca-livre nas cadeiras e camarotes, desceram para o gramado — que custou mais de 5 milhões de reais e com dois meses de uso já está todo remendado e amarelado — como se estivessem na pista do sambódromo com um crachá da Liesa. Se fosse em Wembley seriam presos.

Como uma metáfora brasiliense, eles acham que a mureta que separa o publico do campo, no padrão Fifa, só serve para conter a ralé que paga ingresso. É nessas horas que mais se lamenta a proibição da caxirola.

 



 

Comments

comments

Leave a Reply

Your email address will not be published.