Sonata ao Crepúsculo – Poema de Olavo Bilac

By | November 15, 2015

Trompas do sol, borés do mar, tubas da mata,
Esfalfai-vos, rugindo, e emudecei… Apenas,
Agora, trilem no ar, como em cristal e prata,
Rústicos tamborins e pastoris avenas.

Trescala o campo, e incensa o ocaso, numa oblata.
Surgem da Idade de Ouro, em paisagens serenas,
Os deuses; Eros sonha; e, acordando à sonata,
Bailam rindo as sutis alípedes Camenas.

Depois, na sombra, à voz das cornamusas graves,
Termina a pastoral num lento epitalâmino…
Cala-se o vento… Expira a surdina das aves…

E a terra, noiva, a ansiar, no desejo que a enleva,
Cora e desmaia, ao seio aconchegando o flâmeo,
Entre o pudor da tarde e a tentação da treva.

olavo-bilac

 







 

Leave a Reply

Your email address will not be published.