Tag Archives: conto de Monteiro Lobato

Qualidade e quantidade – Fábula de Monteiro Lobato

Meteu-se um mono a falar numa roda de sábios e tais asneiras disse que foi corrido a pontapés. – Quê? Exclamou ele. Enxotam-me daqui? Negam-me talento? Pois hei de provar que sou um grande figurão e vocês não passam duns idiotas. Enterrou o chapéu na cabeça e dirigiu-se à praça pública onde se apinhava copiosa… Read More »

O casamento da Emília – Conto de Monteiro Lobato

Durou uma semana o noivado de Emília. Todas as tardes, trazido à força por Pedrinho, aparecia o Marquês de Rabicó para visitar a noiva, e tinha de ficar meia hora na sala, contando casos e dizendo palavras de amor. Mas apesar de noivo o Rabicó não perdia os seus instintos. Logo que entrava punha-se a… Read More »

O pastor e o leão – Texto de Monteiro Lobato

Um pastorzinho, notando certa manhã a falta de várias ovelhas, enfureceu-se, tomou da espingarda e saiu para a floresta. — Raios me partam se eu não trouxer, vivo ou morto, o miserável ladrão das minhas ovelhas! Hei de campear dia e noite, hei de encontrá-lo, hei de arrancar-lhe os fígados… E assim, furioso, a resmungar… Read More »

O reformador do mundo – Texto de Monteiro Lobato

Américo Pisca-Pisca tinha o hábito de pôr defeito em todas as coisas. O mundo para ele estava errado e a natureza só fazia asneiras. — Asneiras, Américo? — Pois então?!… Aqui mesmo, neste pomar, você tem a prova disso. Ali está uma jabuticabeira enorme sustendo frutas pequeninas, e lá adiante vejo colossal abóbora presa ao… Read More »

A corrida de sapinhos – Fábula de Monteiro Lobato sobre comentários negativos

Era uma vez uma corrida de sapinhos. Eles tinham que subir uma grande ladeira e, do lado havia uma grande multidão, muita gente que vibrava com eles. Começou a competição. A multidão dizia: – Não vão conseguir! Não vão conseguir! Os sapinhos iam desistindo um a um, menos um deles que continuava subindo. E a… Read More »

Urupês – Conto de Monteiro Lobato

Esboroou-se o balsâmico indianismo de Alencar ao advento dos Rondons que, ao invés de imaginarem índios num gabinete, com reminiscências de Chateaubriand na cabeça e a Iracema aberta sobre os joelhos, metem-se a palmilhar sertões de Winchester em punho. Morreu Peri, incomparável idealização dum homem natural como o sonhava Rousseau, protótipo de tantas perfeições humanas… Read More »

Histórias de Tia Nastácia – conto de Monteiro Lobato

Pedrinho, na varanda, lia um jornal. De repente parou, e disse a Emília, que andava rondando por ali: — Vá perguntar a vovó o que quer dizer folclore. — Vá? Dobre a língua. Eu só faço coisas quando me pedem por favor. Pedrinho, que estava com preguiça de levantar-se, cedeu à exigência da ex-boneca. —… Read More »