Tag Archives: Poema de Hilda Hilst

Prelúdios-intensos para os desmemoriados do amor – Poema de Hilda Hilst

I Toma-me. A tua boca de linho sobre a minha boca Austera. Toma-me AGORA, ANTES Antes que a carnadura se desfaça em sangue, antes Da morte, amor, da minha morte, toma-me Crava a tua mão, respira meu sopro, deglute Em cadência minha escura agonia. Tempo do corpo este tempo, da fome Do de dentro. Corpo… Read More »

Ária amaríssima de um instante – Hilda Hilst

Ária Amaríssima de um instante SOBRE mim o sudário das coisas. Brandura extensa Camada-transparência sobre as gentes. Vê só: Eu não te olho com o teu olho que sabe Que quase tudo em ti é transitório. Meu olho-liquidez Descobre uma tarde esvaída, tarde-madrugada Tempo alongado onde te fizeste em viuvez. Não perdeste a mulher ou… Read More »

Venho de Tempos Antigos – Poema de Hilda Hilst

Deus pode ser a grande noite escura E de sobremesa O flambante sorvete de cereja. Deus: Uma superfície de gelo ancorada no riso. Venho de tempos antigos. Nomes extensos: Vaz Cardoso, Almeida Prado Dubayelle Hilst… eventos. Venho de tuas raízes, sopros de ti. E amo-te lassa agora, sangue, vinho Taças irreais corroídas de tempo. Amo-te… Read More »