Tag Archives: poema de Manuel Bandeira

Porquinho-da-Índia – Poema de Manuel Bandeira

Quando eu tinha seis anos Ganhei um porquinho-da-índia. Que dor de coração me dava Porque o bichinho só queria estar debaixo do fogão! Levava ele prá sala Pra os lugares mais bonitos mais limpinhos Ele não gostava: Queria era estar debaixo do fogão. Não fazia caso nenhum das minhas ternurinhas… — O meu porquinho-da-índia foi… Read More »

Cartas de Meu Avô – Poema de Manuel Bandeira

A tarde cai, por demais Erma, úmida e silente… A chuva, em gotas glaciais, Chora monotonamente. E enquanto anoitece, vou Lendo, sossegado e só, As cartas que meu avô Escrevia a minha avó. Enternecido sorrio Do fervor desses carinhos: É que os conheci velhinhos, Quando o fogo era já frio. Cartas de antes do noivado…… Read More »

Rondó dos Cavalinhos – poema de Manuel Bandeira

Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo… Tua beleza, Esmeralda, Acabou me enlouquecendo. Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo… O sol tão claro lá fora E em minhalma — anoitecendo! Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo… Alfonso Reys partindo, E tanta gente ficando… Os cavalinhos correndo, E nós, cavalões, comendo… A Itália falando… Read More »