As mulheres azuis – Crônica de Artur da Távola

By | 02/03/2023

Ao fim do jantar, falava-se sobre televisão, violência, filmes de terror e crimes, besteirol dos auditórios, alguém lembrou a inocência das séries antigas, Os Intocáveis, Bonanza, Perdidos no Espaço, Caldeira do Diabo, Dr. Kildare, estrelada por Richard Chamberlain, então jovem.

Ao mencionarem o nome deste, notei leve sorriso e brilho nos olhos de tranqüilo azul da linda mulher ao meu lado.

Bonitas buscam bonitos, sei, porém não desisti e lhe perguntei, de chofre: “Você achava o Richard Chamberlain bonito, não é?” Ela assentiu em discreto sorriso, ainda sem saber se era um modo de eu puxar conversa, de agradá-la, ou percepção aguçada – de minha parte – do que com ela se passava (o que a tornaria vulnerável). Sorriu, silenciosa, no eterno enigma das mulheres.

Pousou seu azul olhar no passado, e por certo lhe vieram à memória emotiva os embates amorosos que enfrentou por ser linda, desejada e sedutora numa sociedade que lhe ensinou monogamia e (vá lá…), a fidelidade.

Minha atenção ousou interpretar o brilho encabulado de seu olhar azul. Mulheres lindas são princesas aprisionadas em torres de castelos inexpugnáveis. Não será este cronista tão desajeitado, o passo cambaio, algo tronchudo, não será ele que falará de beleza com conhecimento de causa. Posso, sim, avaliar e admirar (na proporção inversa da possibilidade de fruir). Hoje sei apreciar a beleza e a solidão da mulher linda, com a desambição de quem já a sabe impossível para si, sei admirar sua resistência a olhares, a paixões rimbombantes, a cortejadores sutis ou rombudos, a homens que amaria e não pode. Ah ser carente do amor de quem ama mesmo sabendo-o aquém. Ah ter que esconder, calar, disfarçar, ver sem olhar, olhar sem ver, sempre olhada e perseguida por inveja ou paquera.

Comoveu-me aquela mulher azul, serena e poderosa, certamente perseguida por quilômetros de olhares, atrações e galanteios, a contentar-se com guardar para si o enorme poder de ser bela. Olhei-a várias vezes, sempre encantado, enquanto ela “azulzava”, fingindo não perceber. Mulher sempre sabe quando está a ser olhada; encabulou e não demonstrou, até que reduziu-me a pó com a seguinte e humilhante frase:

“E o senhor, gosta de cinema?”

199 Visualizações