Category Archives: Guimarães Rosa

Partida do audaz navegante – Conto de Guimarães Rosa

Na manhã de um dia em que brumava e chuviscava, parecia não acontecer coisa nenhuma. Estava-se perto do fogo familiar, na cozinha, aberta, de alpendre, atrás da pequena casa. No campo, é bom; é assim. Mamãe, ainda de roupão, mandava Maria Eva estrelar ovos com torresmos e descascar os mamões maduros. Mamãe, a mais bela,… Read More »

Um moço muito branco – Conto de Guimarães Rosa

Na noite de 11 de novembro de 1872, na comarca do Serro Frio, em Minas Gerais, deram-se fatos de pavoroso suceder, referidos nas folhas da época e exarados nas Efemérides. Dito que um fenômeno luminoso se projetou no espaço, seguido de estrondos, e a terra se abalou, num terremoto que sacudiu os altos, quebrou e entulhou casas, remexeu vales, matou gente sem conta; caiu outrossim medonho temporal, com assombrosa e jamais vista inundação, subindo as águas de rio e córregos a sessenta palmos da plana.

Os irmãos Dagobé – Conto de Guimarães Rosa

Enorne desgraça. Estava-se no velório de Damastor Dagobé, o mais velho dos quatro irmãos, absolutamente facínoras. A casa não era pequena; mas nela mal cabiam os que vinham fazer quarto. Todos preferiam ficar perto do defunto, todos temiam mais ou menos os três vivos. Demos, os Dagobés, gente que não prestava. Viviam em estreita desunião, sem mulher em lar, sem mais parentes, sob a chefia despótica do recém-finado. Este fora o grande pior, o cabeça, ferrabrás e mestre, que botara na obrigação da ruim fama os mais moços — “os meninos”, segundo seu rude dizer.

O burrinho pedrês – Conto de Guimarães Rosa

Baseado numa história real, o conto literário se passa no interior de Minas Gerais, com um acontecimento envolvendo um grupo de vaqueiros. O burrinho Sete-de-Ouros, um velho e cansado animal, tem um papel importante na história, sendo um herói. O conto acaba por ter um estilo muito similar ao das fábulas, por dar, aos animais, um comportamento mais humanizado. Burrinho Pedrês foi publicado no livro de contos Sagarana.