Category Archives: Moacyr Scliar

O gigantesco objeto do desejo – Crônica de Moacyr Scliar

“Colombianos fazem camisinha gigante.” Mundo, 28 dez. 1998 – É uma pouca-vergonha – exclamou a primeira senhora, num tom tão exaltado que as outras pessoas, no elegante restaurante, chegaram a se virar, mirando-a, surpresas e irritadas. Sem se importar, ela prosseguiu: – É uma coisa sem nome, é o fim de toda a moralidade. A… Read More »

A vida em papelão – Crônica de Moacyr Scliar

“Dormir em caixa custa R$ 2,00 por dia em São Paulo.” Cotidiano, 6 dezembro 1998 A ideia lhe veio ao observar a quantidade de gente dormindo na rua no centro da cidade. Existe aí uma demanda potencial, pensou. E como estava, ele próprio, desempregado, resolveu arriscar a sorte em um novo negócio: o aluguel de… Read More »

Os direitos de Maria – Crônica de Moacyr Scliar

“Direitos Humanos completam 50 anos.” Especial, 3 dez. 1998 Casaram exatamente no dia em que foi proclamada a Declaração Universal dos Direitos Humanos, em 10 de dezembro de 1948. Uma coincidência que Maria sempre achou significativa. Não que o casamento fosse feliz. Pelo contrário: o marido, homem violento, tratava-a brutalmente. Mas ela se resignava. Foi… Read More »

Toda nudez será castigada – Crônica de Moacyr Scliar

“Empresa japonesa constatou que aparelhos com sensor de radiação infravermelha captam imagens sob as roupas. Câmeras de raio X são retiradas do mercado.” Mundo, 13 ago. 1998 Tudo o que ele esperava de sua câmera era que gravasse – com alguma sofisticação, talvez – cenas banais, do cotidiano. Mas, de repente, não era só aquilo.… Read More »

A cidade dos macacos – Crônica de Moacyr Scliar

“Macacos com fome invadem cidades.” Brasil, 22 jul. 1998 A primeira reação à invasão dos macacos – era uma grande invasão, os animais vinham em bandos de mais de duzentos – foi de surpresa. Macacos eram comuns na região, mas jamais chegavam à cidade – o que dava uma ideia da fome que passavam. Quando… Read More »

Nada como a instrução – Crônica de Moacyr Scliar

“Rico estuda cinco anos mais.” Cotidiano, 17 jul. 1998 O senhor não me arranja um trocado?, perguntou o esfarrapado garoto com um olhar súplice. Outro daria o dinheiro ou seguiria adiante. Não ele. Não perderia aquela oportunidade de ensinar a um indigente uma lição preciosa: – Não, jovem – respondeu –, não vou lhe dar… Read More »

No espaço, sim, mas não perdido – Crônica de Moacyr Scliar

“Chega aos cinemas Perdidos no Espaço.” Ilustrada, 2 jul. 1998 A nave espacial já tinha vencido a zona de gravidade da Terra e aproximava-se da Lua, quando de repente o comandante arregalou os olhos: à frente deles, em pleno espaço, estava um homem. Vestia um improvisado traje de astronauta, confeccionado com retalhos plásticos e um… Read More »

Sonho em grego – Crônica de Moacyr Scliar

“Varredor de rua fala grego.” Cotidiano, 20 mar. 1997 Cansado depois de um dia de exaustivo trabalho, o varredor de rua que falava grego adormeceu e teve um sonho. Estava de novo na mesma avenida que havia varrido só que, por algum ato maligno, o lixo que ele recolhera havia voltado: as sarjetas estavam cheias… Read More »

Nervosismo – Crônica de Moacyr Scliar

“Mercado nervoso deixa operador neurótico.” Cotidiano, 24 jul. 1997 O operador da Bolsa chegou agitadíssimo ao consultório do psicanalista. Sem sequer tirar o casaco ou afrouxar a gravata, atirou-se no divã e foi logo dizendo que não aguentava mais a tensão, que a Bolsa de Valores acabaria por matá-lo, que só naquele dia tinha tomado… Read More »