Declaração de males – Crônica de Paulo Mendes Campos

By | 09/07/2014

Ilmo. Sr. Diretor do Imposto de Renda.

Antes de tudo devo declarar que já estou, parceladamente, à venda. Não sou rico nem pobre, como o Brasil, que também precisa de boa parte do meu dinheirinho. Pago imposto de renda na fonte e no pelourinho. Marchei em colégio interno durante seis anos mas nunca cheguei ao fim de nada, a não ser dos meus enganos. Fui caixeiro. Fui redator. Fui bibliotecário. Fui roteirista e vilão de cinema. Fui pegador de operário.

Já estive, sem diagnóstico, bem doente.

Fui acabando confuso e autocomplacente.

Deixei o futebol por causa do joelho. Viver foi virando dever e entrei aos poucos no vermelho. No Rio, que eu amava, o saldo devedor já há algum tempo que supera o saldo do meu amor. Não posso beber tanto quanto mereço, pela fadiga do fígado e a contusão do preço. Sou órfão de mãe excelente. Outras doces amigas morreram de repente.

Não sei cantar. Não sei dançar. A morte há de me dar o que fazer até chegar. Uma vez quis viver em Paris até o fim, mas não sei grego nem latim. Acho que devia ter estudado anatomia patológica ou pelo menos anatomia filológica. Escrevo aos trancos e sem querer e há contudo orgulhos humilhantes no meu ser.

Será do avesso dos meus traços que faço o meu retrato? Sou um insensato a buscar o concreto no abstrato. Minha cosmovisão é míope, baça, impura, mas nada odiei, a não ser a injustiça e a impostura. Não bebi os vinhos crespos que desejara, não me deitei sobre os sossegos verdes que acalentara. Sou um narciso malcontente da minha imagem e jamais deixei de saber que vou de torna-viagem.

Não acredito nos relógios… the pule cast of throught… sou o que não sou (all that I am I am not). Podia ter sido talvez um bom corredor de distância: correr até morrer era a euforia da minha infância. O medo do inferno torceu as raízes gregas do meu psiquismo e só vi que as mãos prolongam a cabeça quando me perdera no egotismo. Não creio contudo em myself. Nem creio mais que possa revelar-me em other self.

Não soube buscar (em que céu?) o peso leve dos anjos e da divina medida. Sou o próprio síndico de minha massa falida. Não amei com suficiência o espaço e a cor. Comi muita terra antes de abrir-me à flor.

Gosto dos peixes da Noruega, do caviar russo, das uvas de outra terra; meus amores pela minha são legião, mas vivem em guerra.

Fatigante é o ofício para quem oscila entre ferir e remir. A onça montou em mim sem dizer aonde queria ir. A burocracia e o barulho do mercado me exasperam num instante.

Decerto sou crucificado por ter amado mal meu semelhante. Algum deus em mim persiste mas não soube decidir entre a lua que vemos e a lua que existe. Lobisomem, sou arrogante às sextas-feiras, menos quando é lua cheia. Persistirá talvez também, ao rumor da tormenta, algum canto da sereia.

Deixei de subir ao que me faz falta, mas não por virtude: meu ouvido é fino e dói à menor mudança de altitude.

Não sei muito dos modernos e tenho receios da caverna de Platão: vivo num mundo de mentiras captadas pela minha televisão. Jamais compreendi os estatutos da mente.

O mundo não é divertido, afortunadamente.

E mesmo o desengano talvez seja um engano.

paulo-mendes-campos

Texto extraído do livro “O amor acaba”, Civilização Brasileira – Rio de Janeiro, 1999, pág. 259, organização de Flávio Pinheiro.

 



 

567 Visualizações