Tag Archives: Conto de Monteiro Lobato

De como quebrei a cabeça à mulher do Melo – Conto de Monteiro Lobato

1906 – OLHA, esperam-te hoje em casa para o jantar. – Impossível. Não janto fora. – Abre uma exceção e vai. – Impossível, já disse. Não insistas. – Põe de lado a esquisitice e vai. – Não é esquisitice, meu caro, é sibaritismo e prudência. Tenho para mim que comer é uma das boas coisas… Read More »

Um suplício moderno – Conto de Monteiro Lobato

1916 TODAS AS CRUELDADES de que foi useira a Inquisição para reduzir heréticos, as torturas requintadas da “questão” medieval, o empalamento otomano, o suplício chinês dos mil pedaços, o chumbo em fusão metido a funil gorgomilos adentro — toda a velha ciência de martirizar subsiste ainda hoje encapotada sob hábeis disfarces. A humanidade é sempre… Read More »

O engraçado arrependido – Conto de Monteiro Lobato

1917 FRANCISCO TEIXEIRA DE SOUZA PONTES, galho bastardo duns Souza Pontes de trinta mil arrobas afazendados no Barreiro, só aos trinta e dois anos de idade entrou a pensar seriamente na vida. Como fosse de natural engraçado, vivera até ali à custa da veia cômica, e com ela amanhara casa, mesa, vestuário e o mais.… Read More »

Pedro Pichorra – Conto de Monteiro Lobato

1910 QUEM DOBRA O MORRO DA SAMAMBAIA, com a vista saturada pela verdura monótona, espairece na Grota Funda ao dar de chapa com uma sitioca pitoresca. E passa levando nos olhos a impressão daquela sépia afogada em campo verde: casebre de palha, terreirinho de chão limpo, mastro de santo Antônio com os desenhos já escorridos… Read More »

O avô do Crispim – Conto de Monteiro Lobato

1919 SOMOS TODOS AQUI UNS PULHAS, uns seixos rolados — dizia-me Crispim Paradeda. — Sabe o que é seixo rolado? Essas pedras de fundo de rio que de tanto baterem umas nas outras acabam sem arestas. A civilização nos iguala, nos arredonda, nos tira a coragem da originalidade. Ah, o meu avô Paradeda… Impossível uma… Read More »

Anta que berra – Conto de Monteiro Lobato

1919 HISTÓRIA PROPRIAMENTE NÃO É O QUE VOU CONTAR, mas simples episódio — coisa de um aparte inocente que atrapalhou a façanha narrada pelo meu saudoso amigo major Pedro Falaverdade, de Itaquaquecetuba. Apesar de grande caçador o meu amigo não mentia: atrapalhava-se às vezes, confundia uma caçada com outra: mas mentir deliberadamente, como a maioria… Read More »

Um homem honesto – Conto de Monteiro Lobato

1923 – EXCELENTE CRIATURA! Dali não vem mal ao mundo. E honesto, ah!, honesto como não existe outro — era o que todos diziam do João Pereira. João Pereira trabalhava em repartição pública. Estivera a princípio num tabelionato e depois no comércio como caixeiro do empório Ao Imperador dos Gêneros. Deixou o empório por discordância… Read More »