Tag Archives: Crônica de Fernando Sabino

Em Matéria de Automóveis – Crônica de Fernando Sabino

EM matéria de automóveis, seu raciocínio era o seguinte: — Para que ter automóvel, se eu não sei dirigir? E se alguém lhe sugeria que aprendesse: — Para que aprender, se não tenho automóvel? Um dia, porém, não se sabe como, escapou de seu sofismático raciocínio e apareceu dirigindo um automóvel. Aprendera a dirigir, só… Read More »

No Quarto da Valdirene – Crônica de Fernando Sabino

Mal ele entrou em casa, a mulher o tomou pelas mãos, ansiosa: – Estava aflita para você chegar. E sussurrou, apontando dramaticamente para os lados da cozinha: – Tem um homem no quarto da Valdirene. Sacudiu a cabeça com irritação: – Desde o primeiro dia eu achei que essa menina não era boa coisa. Ela… Read More »

Aspirador de pó – Crônica de Fernando Sabino

Antes que eu lhe pergunte o que deseja, o gordinho começa a exibir-me uma aparelhagem complicada, ainda na porta da rua. São tubos que se ajustam, fio para ligar na tomada, escovinhas de sucção e outros apetrechos. – Entre – ordenei. Ora, acontece que jamais prestei sentido na existência dos aspiradores de pó. Por isso… Read More »

Macacos me mordam – Crônica de Fernando Sabino

Morador de uma cidade do interior de Minas me deu conhecimento do fato: diz ele que há tempos um cientista local passou telegrama para outro cientista, amigo seu, residente em Manaus: “Obsequio providenciar remessa 1 ou 2 macacos”. Necessitava ele de fazer algumas inoculações em macaco, animal difícil de ser encontrado na localidade. Um belo… Read More »

Na escuridão Miserável – Crônica de Fernando Sabino

“Eram sete horas da noite quando entrei no carro, ali no Jardim Botânico. Senti que alguém me observava, enquanto punha o motor em movimento. Voltei-me e dei com uns olhos grandes e parados como os de um bicho, a me espiar, através do vidro da janela, junto ao meio-fio. Eram de uma negrinha mirrada, raquítica,… Read More »