Tag Archives: Crônica de Nelson Rodrigues

Os intelectuais corajosos – Crônica de Nelson Rodrigues

Ah, sou um homem suscetível de violentas nostalgias. Gosto de falar da vacina obrigatória, do naufrágio da Barca Sétima e do assassinato de Pinheiro Machado. Sei que essas datas, esses fatos, exalam um cheiro de remédio de barata. Mas ótimo que assim seja. O remédio de barata é justamente o passado, sim, o passado em… Read More »

O único negro do Brasil – Crônica de Nelson Rodrigues

É um túmulo que dorme não sei onde. Talvez na Alema­nha, talvez na Áustria. Mas não importa a terra. O que importa é a solidão da palavra. Lá está escrito: — “Rosa, pura contradi­ção / Volúpia de ser o sono de ninguém / Sob tantas pálpebras”. E o epitáfio que Rainer Maria Rilke teceu para… Read More »

O medo de parecer idiota – Crônica de Nelson Rodrigues

(Ontem, aliás, anteontem, escrevi: — “O povo desconfia do que entende” etc. etc. Pois bem: — e saiu assim: — “O po­vo desconfia do que não entende”. Novamente fui dominado por uma dessas fúrias sagradas e inúteis. A minha vontade foi sair de porta em porta, de errata em punho, aos berros: — “Eu disse… Read More »

Apelo de uma fé perdida – Crônica de Nelson Rodrigues

Imagino a seguinte cena: — d. Hélder chega à janela e olha o céu. No verso do Chico Buarque não há janela intranscendente, e explico: — qualquer janela nos põe em relação direta, fulminante, com o infinito. Assim está certo o poeta popular. É preciso usar as janelas com larga e cálida abundância. Mas volto… Read More »

O septuagenário nato – Crônica de Nelson Rodrigues

Não sei se falei aqui do personagem de Gogol. Era um sujeito fabuloso. Basta dizer: — nasceu de sapatos, guarda-chuva e já funcionário. A parteira, gorda e cheia de varizes como uma viúva machadiana, caiu para trás, com ataque. O próprio recém-nascido é que a acudiu e lhe deu, em ambas as faces, dois ou… Read More »

Banho de noiva – Conto de Nelson Rodrigues

Vinte e quatro horas antes do casamento, Detinha suspira: — Meu filho, posso te fazer uma pergunta? Peçanha (Antônio Peçanha), que estava limando as unhas com um pau de fósforo, boceja: — “Mete lá”. E ela: — Quantos banhos tu tomas? Admirou-se: — Por quê? E ela: — Responde. Quantos banhos tu tomas por dia?… Read More »

Um menino de paixões de ópera – Crônica de Nelson Rodrigues

Bem me lembro dos meus cinco, seis anos. O vizinho era, então, todo o meu horizonte humano. Ainda vejo as pessoas que moravam ao nosso lado, ou em frente, ou na esquina. Os sujeitos se cumprimentavam assim: — “Bom dia, vizinho. Co­mo vai, vizinho?”. E a simples palavra tinha uma tensão, um frêmito, uma magia.… Read More »

Era bonito ser histérica – Conto de Nelson Rodrigues

“Beijarei o punhal que matar Pinheiro Machado” — soluçou o orador. E, realmente, enfiou a mão no colete, ou cinto, e de lá arrancou, com ágil ferocidade, o punhal homicida. Logo, à vista de todos, beijou, chorando, o punhal. As lágrimas deslizavam pela face cava. E o orador, prolongando o efeito cênico, ainda ficou, por… Read More »

Feia demais – Conto de Nelson Rodrigues

Quando chegou em casa, as irmãs o esperavam com a pergunta sôfrega: — Você está namorando aquela pequena? — Estou. Houve um espanto indignado: — Não é possível, não pode ser! — Por quê? E todas, num coro feroz: — Porque é um bucho horroroso! Arranja uma pequena melhor, mais interessante, bonitinha! O rapaz empalideceu,… Read More »

Uma senhora honesta – Conto de Nelson Rodrigues

Era muito virtuosa e, mais do que isso, tinha orgulho, tinha vaidade dessa virtude. Casada há seis meses com Valverde (Márcio Valverde), ouvia muita novela de rádio. E se, por coincidência, a heroína da novela prevaricava, ela não podia conter sua indignação. Dizia logo: — Esse negócio de trair o marido não é comigo! Fazia… Read More »