Tag Archives: Machado de Assis

O Rei dos Caiporas – Conto de Machado de Assis

Os acontecimentos humanos são regidos por um destino cego e caprichoso? Há estrelas propícias e estrelas funestas? Tem fundamento a crença popular de que certas criaturas são felizes porque choraram no ventre materno, e outras desgraçadas porque não choraram nem riram? Questão é esta que não me atrevo a deslindar. A filosofia diz que os… Read More »

Felicidade pelo casamento – conto de Machado de Assis

C’est une âme que son âme demande […] qui s’attache à elle avec tant de force et qui souffre avec tant de bonheur son étreinte, que rien ne puisse plus les séparer… JULES SIMON I Acontecimentos imprevistos obrigaram-me a deixar a província e estabelecer-me algum tempo na corte. Foi isto no ano de 185… Os… Read More »

O Cônego ou Metafísica do Estilo – Conto de Machado de Assis

— “Vem do Líbano, esposa minha, vem do Líbano, vem… As mandrágoras deram o seu cheiro. Temos às nossas portas toda a casta de pombos…” — “Eu vos conjuro, filhas de Jerusalém, que se encontrardes o meu amado, lhe façais saber que estou enferma de amor…” Era assim, com essa melodia do velho drama de… Read More »

Mariana – Conto de Machado de Assis

CAPÍTULO PRIMEIRO “Que será feito de Mariana?” perguntou Evaristo a si mesmo, no largo da Carioca, ao despedir-se de um velho amigo, que lhe fez lembrar aquela velha amiga. Era em 1890. Evaristo voltara da Europa, dias antes, após dezoito anos de ausência. Tinha saído do Rio de Janeiro em 1872, e contava demorar-se até… Read More »

Primas de Sapucaia! – Conto de Machado de Assis

Há umas ocasiões oportunas e fugitivas, em que o acaso nos inflige duas ou três primas de Sapucaia; outras vezes, ao contrário, as primas de Sapucaia são antes um benefício do que um infortúnio. Era à porta de uma igreja. Eu esperava que as minhas primas Claudina e Rosa tomassem água benta, para conduzi-las à… Read More »

Quinze Anos – poesia de Machado de Assis

Oh! la fleur de l’Eden, pourquoi l’as-tu fannée, Insouciant enfant, belle Eve aux blonds cheveux! Alfred de Musset Era uma pobre criança… — Pobre criança, se o eras! — Entre as quinze primaveras De sua vida cansada Nem uma flor de esperança Abria a medo. Eram rosas Que a doida da esperdiçada Tão festivas, tão… Read More »