Tag Archives: poema de Cecília Meireles

Os Homens Gloriosos – poema de Cecília Meireles

Sentei-me sem perguntas à beira da terra, e ouvi narrarem-se casualmente os que passavam. Tenho a garganta amarga e os olhos doloridos: deixai-me esquecer o tempo, inclinar nas mãos a testa desencantada, e de mim mesma desaparecer, — que o clamor dos homens gloriosos cortou-me o coração de lado a lado. Pois era um clamor… Read More »

Não te Fies do Tempo nem da Eternidade – poema de Cecília Meireles

Não te fies do tempo nem da eternidade que as nuvens me puxam pelos vestidos, que os ventos me arrastam contra o meu desejo. Apressa-te, amor, que amanhã eu morro, que amanhã morro e não te vejo! Não demores tão longe, em lugar tão secreto, nácar de silêncio que o mar comprime, ó lábio, limite… Read More »

Pergunto-te Onde se Acha a Minha Vida – poema de Cecília Meireles

Pergunto-te onde se acha a minha vida. Em que dia fui eu. Que hora existiu formada de uma verdade minha bem possuída. Vão-se as minhas perguntas aos depósitos do nada. E a quem é que pergunto? Em quem penso, iludida por esperanças hereditárias? E de cada pergunta minha vai nascendo a sombra imensa que envolve… Read More »

Retrato de Mulher Triste – poema de Cecília Meireles

Vestiu-se para um baile que não há. Sentou-se com suas últimas jóias. E olha para o lado, imóvel. Está vendo os salões que se acabaram, embala-se em valsas que não dançou, levemente sorri para um homem. O homem que não existiu. Se alguém lhe disser que sonha, levantará com desdém o arco das sobrancelhas, Pois… Read More »