Tag Archives: poesia de Machado de Assis

Epitáfio do México – poesia de Machado de Assis

Dobra o joelho: — é um túmulo. Embaixo amortalhado Jaz o cadáver tépido De um povo aniquilado; A prece melancólica Reza-lhe em torno à cruz. Ante o universo atônito Abriu-se a estranha liça, Travou-se a luta férvida Da força e da justiça; Contra a justiça, ó século, Venceu a espada e o obus. Venceu a… Read More »

A Carolina – poesia de Machado de Assis

Querida, ao pé do leito derradeiro Em que descansas dessa longa vida, Aqui venho e virei, pobre querida, Trazer-te o coração do companheiro. Pulsa-lhe aquele afeto verdadeiro Que, a despeito de toda a humana lida, Fez a nossa existência apetecida E num recanto pôs um mundo inteiro. Trago-te flores, — restos arrancados Da terra que… Read More »

Quinze Anos – poesia de Machado de Assis

Oh! la fleur de l’Eden, pourquoi l’as-tu fannée, Insouciant enfant, belle Eve aux blonds cheveux! Alfred de Musset Era uma pobre criança… — Pobre criança, se o eras! — Entre as quinze primaveras De sua vida cansada Nem uma flor de esperança Abria a medo. Eram rosas Que a doida da esperdiçada Tão festivas, tão… Read More »

Visio – poesia de Machado de Assis

Eras pálida. E os cabelos, Aéreos, soltos novelos Sobre as espáduas caíam… Os olhos meio cerrados De volúpia e de ternura Entre lágrimas luziam… E os braços entrelaçados, Como cingindo a ventura, Ao teu seio me cingiam… Depois, naquele delírio, Suave, doce martírio De pouquíssimos instantes Os teus lábios sequiosos, Frios, trêmulos, trocavam Os beijos… Read More »