Oração a Nossa Senhora da Boa Morte – Manuel Bandeira

Fiz tantos versos a Teresinha… Versos tão tristes, nunca se viu! Pedi-lhe coisas. O que eu pedia Era tão pouco! Não era glória… Nem era amores… Nem foi dinheiro… Pedia apenas mais alegria: Santa Teresa nunca me ouviu! Para outras santas voltei os olhos. Porém as santas são impassíveis Como as mulheres que me enganaram.… Read More »

Marinheiro triste – Poema de Manuel Bandeira

Marinheiro triste Que voltas para bordo Que pensamentos são Esses que te ocupam? Alguma mulher Amante de passagem Que deixaste longe Num porto de escala? Ou tua amargura Tem outras raízes Largas fraternais Mais nobres mais fundas? Marinheiro triste De um país distante Passaste por mim Tão alheio a tudo Que nem pressentiste Marinheiro triste… Read More »

Memória de livros – Crônica de João Ubaldo Ribeiro

Aracaju, a cidade onde nós morávamos no fim da década de 40, começo da de 50, era a orgulhosa capital de Sergipe, o menor estado brasileiro (mais ou menos do tamanho da Suíça). Essa distinção, contudo, não lhe tirava o caráter de cidade pequena, provinciana e calma, à boca de um rio e a pouca… Read More »