Category Archives: Poesia

Os voluntários do Norte – Manuel Bandeira

“São os do Norte que vêm” Tobias Barreto Quando o menino de engenho Chegou exclamando: – “Eu tenho, Ó Sul, talento também!”, Faria, gesticulando, Saiu à rua gritando: – “São os do Norte que vêm!” Era um tumulto horroroso! – “Que foi?” indagou Cardoso Desembarcando de um trem. E inteirou-se. Senão quando, Os dois saíram… Read More »

Três mulheres e uma quarta – Adélia Prado

Arnalda, Alice e Armantilda são três mulheres piedosas que amam passar as tardes no serviço do templo. Arnalda, forte e bruta, lava teto, piso e paredes, lustra sacrário e átrio. Alice é para as flores: a espécie conforme o jarro e o calendário litúrgico. Armantilda é para adorar. O Senhor ama igualmente as três, mas… Read More »

Chanson des petits esclaves – Manuel Bandeira

Constellations Maîtresses vraiment Trop insouciantes O petits esclaves Secouez vos chaînes Les cieux sont plus sombres Que les beaux miroirs Finis les tracas Finie toute peine. O petits esclaves Black-boulez les reines La folle journée J’aurai vite fait D’avoir mis d’emblée Toutes les sirènes Sous mes arrosoirs Car voici demain O petits esclaves Secouez vos… Read More »

Oração a Nossa Senhora da Boa Morte – Manuel Bandeira

Fiz tantos versos a Teresinha… Versos tão tristes, nunca se viu! Pedi-lhe coisas. O que eu pedia Era tão pouco! Não era glória… Nem era amores… Nem foi dinheiro… Pedia apenas mais alegria: Santa Teresa nunca me ouviu! Para outras santas voltei os olhos. Porém as santas são impassíveis Como as mulheres que me enganaram.… Read More »