O Velho Lima – Conto de Artur Azevedo

By | 14/08/2021

A Fricinal Vassico

O velho Lima, que era empregado – empregado antigo – numa da nossas repartições públicas, e morava no Engenho de Dentro, caiu de cama, seriamente enfermo, no dia 14 de novembro de 1889, isto é, na véspera da proclamação da República dos Estados Unidos do Brasil.

O doente não considerou a moléstia coisa de cuidado, e tanto assim foi que não quis Médico: bastaram-lhe alguns remédios caseiros, carinhosamente administrados por uma nédia mulata que há vinte e cinco anos lhe tratava com igual solicitude do amor e da cozinha. Entretanto, o velho Lima esteve de molho oito dias.

O nosso homem tinha o hábito de não ler jornais, e, como em casa nada lhe dissessem (porque nada sabiam), ele ignorava completamente que o Império se transformara em República.

No dia 23, restabelecido e pronto para outra comprou um bilhete, segundo o seu costume, e tomou lugar no
trem, ao lado do Comendador Vidal, que o recebeu com estas palavras:

– Bom dia, cidadão.

O velho Lima estranhou o cidadão, mas de si para si pensou que o Comendador dissera aquilo como poderia ter dito ilustre, e não deu maior importância ao cumprimento, limitando-se a responder!
– Bom dia, Comendador.

– Qual Comendador! Chama-me Vidal! Já não há Comendadores!

– Ora essa! Então por que?

– A República deu cabo de todas as comendas! Acabaram-se!…

O velho Lima encarou o Comendador, e calou-se, receoso de não ter compreendido a pilhéria. Passados alguns segundos, perguntou-lhe o outro:

– Como vai você com o Aristides?

– Que Aristides?

– O Silveira Lobo.

– Eu?… onde?… como?…

– Que diabo! pois o Aristides não é o seu ministro? Você não é empregado de uma repartição do Ministério do Interior?

Desta vez não ficou dentro do espírito do velho Lima a menor dúvida de que o Comendador houvesse enlouquecido.

– Que estará fazendo a estas horas o Pedro II? perguntou Vidal, passados alguns momentos. Sonetos, naturalmente, que é o do que mais se ocupava aquele tipo!

– Ora vejam, refletiu o velho Lima, ora vejam o que é perder a razão: este homem quando estava nos eu juízo era tão monarquista, tão amigo do imperador.

Entretanto, o velho Lima indignou-se, vendo que o subdelegado de sua freguesia, sentado no trem, defronte dele, aprovava com um sorriso a perfídia do Comendador.

– Uma autoridade policial! murmurou o velho Lima. E o Comendador acrescentou:

– Eu só quero ver como o ministro brasileiro recebe o Pedro II em Lisboa; ele deve chegar lá no princípio do mês.

O velho Lima comovia-se:

– Não diz coisa com coisa, coitado!

– E a bandeira? Que diz você da bandeira?

– Ah, sim… a bandeira… sim… repetiu o velho Lima para o não contrariar.

– Como a prefere: com ou sem lema?

– Sem lema. respondeu o bom homem num tom de profundo pesar; sem lema.

– Também eu; não sei o que quer dizer bandeira com letreiro.

Como o trem se demorasse um pouco mais numa das estações, o velho Lima voltou-se para o subdelegado, e disse-lhe:

– Parece que vamos ficar aqui! está cada vez pior o serviço da Pedro II!

– Qual Pedro II! bradou o Comendador. Isto já não é de Pedro II! Ele que se contente com os cinco mil contos!

– E vá para a casa do diabo! acrescentou o subdelegado.

O velho Lima estava atônito. Tomou a resolução de calar-se.

Chegado à praça da Aclamação. entrou num bonde e foi até a sua secretaria sem reparar em nada nem nada ouvir que o pusesse ao corrente do que se passara.

Notou, entretanto, que um vândalo estava muito ocupado a arrancar as coroas imperiais que enfeitavam o gradil do parque da Aclamação…

Ao entrar na secretaria, um servente preto e mal trajado não o cumprimentou com a costumeira humildade; limitou-se a dizer:

– Cidadão!

– Deram hoje para me chamar de cidadão! pensou o velho Lima. Ao subir, cruzou na escada com um conhecido de velha data.

– Oh! você por aqui! Um revolucionário numa repartição do Estado!… O amigo cumprimentou-o cerimoniosamente.

– Querem ver que já é alguém! refletiu o velho Lima.

– Amanhã parto para a Paraíba, disse o sujeito cerimonioso, estendendo-lhe as pontas dos dedos; como sabe, vou exercer o cargo de chefe da polícia. Lá estou ao seu dispor. E saiu.

– Logo vi! Mas que descarado! Um republicano exaltadíssimo!…

Ao entrar na sua seção, o velho Lima reparou que haviam desaparecido os reposteiros.

– Muito bem! disse consigo; foi uma boa medida suprimir os tais reposteiros pesados, agora que vamos entrar na estação calmosa.

Sentou-se, e viu que tinham tirado da parede uma velha litografia representando D. Pedro de Alcântara. Como na ocasião passasse um contínuo, perguntou-lhe:

– Por que tiraram da parede o retrato de sua majestade? O contínuo respondeu num tom lentamente desdenhoso:

– Ora, cidadão, que fazia ali a figura do Pedro Banana?

– Pedro Banana! repetiu raivoso o velho Lima. E, sentando-se, pensou com tristeza:

– Não dou três anos para que isto seja república.

128 Visualizações